Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

3 Pontos de Vista

2 Gajas numa ida à Tasca

Por volta das 19h30, após um dia de 8/10 horas de trabalho, a LOLA e a KIKI decidem alinhar numa caracolada, para descomprimir.

Optámos pelo sítio mais perto do local de trabalho, pois nestas aventuras tasqueiras importa conhecer e confiar. Ali garante-se o bom atendimento e uns caracóis de qualidade.

Assim que entrámos notámos todo um impacto na clientela, maioritariamente constituída por elementos do género masculino, pertencentes à classe operária (classe à qual até achamos uma graça, pela sua polivalência e estilo próprio). Avistavam-se também alguns senhores na idade pré-reforma.

Apresentavam-se como homens vindos do trabalho, que de forma satisfeita bebem a sua jola, tal qual aperitivo de jantar.

Aparentemente haviam uns sinais de comunicação entre eles, que fez com que um dos empregados direcionasse o seu olhar em direção à parte de baixo da nossa mesa – estávamos as duas de salto alto.

A certa altura, damos conta de uma nova agitação. Quando o Sr. Pires nos traz o jarro de vinho branco. A audiência ficou surpreendida. O que esperavam eles? Duas Coca-Cola Zero?!

A agitação é novamente promovida aquando da vinda de uma travessa de caracoletas. O que esperavam eles desta vez? Um peixinho grelhado só com legumes?!

Os palitos são postos na mesa com um “Os palitinhos já cá moram!”.

As mais ouvidas:

“Oh Zé, traz-me uma mini!”

“Oh, isso tira-se-lhes os saltos altos e botas-lhes uns chinelos.”

“As gaijas de Braga, muito giras mesmo!”

“Boa tarde amiga, estás boa?!”

tasca.jpg

 

1 comentário

Comentar post